Pedalando por Aparados da Serra

P1080518-Edit

A Priscila jura que me alertou que era uma indiada, mas eu me lembro apenas do nome “Aparados da Serra”. Se ela falou que fariamos 100 km por dia por estradas capazes de desmontar carros, eu não me recordo. Mas lembro bem que ela falou que passaríamos por dentro do parque nacional, e que seria um belo passeio. Para o mal e para o bem, as duas coisas se confirmaram, e o passeio foi inesquecível.

O plano era o seguinte: sair de Tainhas, que faz parte de Cambará do Sul, cruzar o parque nacional de Aparados da Serra “de trás pra frente”, descer a serra do Faxinal e dormir em Torres, completando uns 100 km (veja no GPS). Pedalar mais uns 90 km pela planície litorânea no segundo dia, indo dormir em Timbé do Sul (veja no GPS). Fechar o passeio no terceiro dia, subindo os 1,250 metros da serra da Rocinha e voltando a Cambará do Sul, em “apenas” 65 km (veja no GPS). Só que a história começa a uns 400 quilômetros de distância, em Florianópolis.

Era véspera de feriado de 15 de novembro e, para evitar o trânsito maior, consegui sair do trabalho na hora do almoço. Já com a bicicleta no teto do carro, segui para Palhoça, onde encontraria meu parceiro de viagem, que ainda nem conhecia. O Wilson, gente boa das boas mesmo, é amigo do Giba, o organizador geral da bagaça. A viagem para o sul foi longa, com vários trechos em obras e com pista simples. Mas estávamos sem pressa, afinal nosso “compromisso” era apenas no dia seguinte. A tarde foi passando e pegamos o pôr do sol na subida da Serra do Pinto. Com o trânsito todo no sentido contrário, pudemos curtir o belíssimo visual da estrada, que têm vários túneis e sobe por enormes paredões.

IMG_1127

Chegando em Cambará, fomos direto para a Pousada Simone, uma dica que tirei do não tão bonito, mas excelente fórum Mochileiros.com. Fomos recebidos pelo Seu Alcides, que ignora os seus quase 80 anos e recebe os hóspedes com disposição e bom humor. A pousada é simples, mas bem conservada e com boas camas. O preço, de R$ 40 com café da manhã, foi um achado para uma cidade turística em pleno feriado.

Deixamos logo as mochilas e as bicicletas  no quarto e fomos atrás de algo para comer. A ideia inicial era buscar um sanduíche qualquer, mas acabamos encontrando um belo crepe de linguiça, queijo e geléia. Uma combinação aparentemente estranha, mas muito boa. Pra acompanhar, uma cervejinha pale ale. Tá bom pra dormir, né?

***

Acordamos cedo. Como o Seu Alcides dependia do pão de uma padaria para começar o café, e nós tínhamos pressa, ele sugeriu que fossemos tomar café na padaria mesmo. Que ficássemos a vontade  e que depois ele acertava lá. E foi o que fizemos, dado aquela caprichada, pois o dia seria de pedal longo.

Fomos ao ponto de encontro, o Café Tainhas, e não demorou muito para irem aparecendo os nossos colegas de pedalada. Neste primeiro dia em especial seriamos em 15, já que alguns fariam apenas a parte alta do passeio, retornando ao café após atravessar o parque de Aparados. Assim partimos.

P1080453

Após alguns quilômetros a mais pelo asfalto, achamos a saída certa e entramos na terra. Finalmente estava onde gostaria.

P1080466

P1080477

P1080481

P1080484

P1080486

P1080497

11212_588828224486510_443554236_n

P1080511

Quem entra no parque “por trás”, como entramos, corre o risco de nem ver os cânions. Sorte que tinha um pessoal alteando, que sou a hora de sair da estradinha

P1080522

P1080527

Após quase ser extinta, agora se encontra gralha azul com facilidade na região

1471901_588827411153258_1447910226_n

O primeiro dos sete apoios prestados ao carro de apoio

P1080534

Descendo a serra do Faxinal, com vista para o cânion Malacara

P1080542

Violeiros que encontramos no caminho

P1080555

Já nos arrozais da planície litorânea, onde o primeiro dia terminou.

P1080557

P1080563

Turistando em Torres, com a Priscila e o Wilson

P1080566

P1080575

O incansável Giba

P1080581

Esta estradinha, com este sol, não foi fácil

P1080585

Fim do segundo dia, com muitos arrozais nas cidades de Ermo, Turvo e Timbé do Sul

P1080587

P1080616

Primeira vista da serra da Rocinha. Último dia de pedal.

P1080621

P1080629

P1080637

P1080640

Ótima companhia, e com fôlego para contar histórias subindo 🙂

P1080645

P1080646

P1080663

Esta subida, não acaba não?

P1080669

P1080677

P1080684

Foram 1.150 metros de elevação em uma única subida. Show!

P1080695

P1080699

Já parado na descida. hehehe

P1080701

Lanchonete providencial. Foram nada menos que sete pastéis.

P1080713

Bela cachoeira, pena que meio fora de mão para um mergulho.

P1080720

P1080722

Não dá vontade de morar num lugar assim?  Como ainda não é possível, o negócio é arrumar um jeito de ir mais uma vez.

Sinto que devo agradecer à Priscila pelo convite e pela companhia tão especial durante todos os dias. Ao Giba pela organização e companheirismo. E ao Marcelo e demais colegas de viagem pela parceria! Valeu mesmo!

4 opiniões sobre “Pedalando por Aparados da Serra

    • dezembro 16, 2013 em 18:51
      Permalink

      Valeu, mestre. Aquela região merece outras visitas, sem dúvida! Abraço!

      Resposta
  • dezembro 18, 2013 em 20:51
    Permalink

    Gostaria de saber das condições da estrada da serra do faxinal. pretendo descer de carro, que é um pouco baixo e estou preocupado com isso.

    Resposta
    • dezembro 19, 2013 em 08:23
      Permalink

      Fernando, a serra do Faxinal está bastante judiada. Seria melhor ir pela da Rocinha, que é bem próxima.

      Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *