Curso online de preparação e planejamento para cicloturismo

Curso online de preparação e planejamento para cicloturismo

Salve, salve!

Após o sucesso na primeira edição presencial do Curso de Cicloturismo: preparação e planejamento, realizada em Floripa, eu e o André Schetino, do Até Onde Deu pra Ir de Bicicleta, preparamos a versão online, com aulas em vídeo, apostilas em PDF e muito material extra! Corra lá e veja tudo que oferecemos!

Confira o depoimento de quem já participou:

 

“O Curso de Cicloturismo: Planejamento e Treinamento é indicado para pessoas que querem fazer viagens autônomas de bicicleta. Tanto para quem quer tirar os sonhos do papel e realizar a sua primeira cicloviagem, quanto para quem já fez algumas viagens e deseja melhorar a sua experiência com o cicloturismo. Esperamos por você!” André Schetino e Fábio Almeida.

Inscreva-se agora!

 

 

ASF: provocando a sede de aventura

ASF: provocando a sede de aventura

 

sam_1293
Público sentado até no chão para saber mais sobre cicloturismo.

Salve, salve!

A imagem acima mostra a importância de um evento como a Adventure Sports Fair (ASF). O público lotou as palestras e oficinas em busca de conhecimento para começar ou aprimorar sua prática esportiva. E nas oficinas que dei, sobre como começar no cicloturismo, tinha de tudo: ciclistas, corredores, escaladores e mergulhadores que amam a bicicleta e querem se aventurar por distancias maiores. E as principais dívidas eram sobre qual bicicleta comprar (algo que pouquíssimas lojas sabem indicar corretamente) e sobre roteiros de viagens para iniciantes (um tanto raro no Brasil).E é com base nesta procura que eu e o André Schetino, do Até Onde Deu pra Ir de Bicicleta, criamos o Curso de Cicloturismo, que vai rolar aqui em Floripa no começo de novembro.

Montanhas!
Montanhas!

Além desta boa experiência de repassar conhecimento e incentivar as viagens de bike, a ASF também foi muito bacana para fazer contato com marcas, outros ciclistas e os blogs da Rede de Blogs Outdoor, da qual o Pedal Nativo faz parte. Papos de grande valia, que confirmaram, por exemplo, a tendência, quase obrigação, da produção de vídeos em paralelo aos textos e fotos. E que provocaram a minha sede de aventura, semeando o projeto de uma grande viagem para o próximo ano. Trata-se de uma rota desafiadora, por belas e altas paisagens européias. Mais pra frente vou revelar detalhes do projeto.

sam_1278
Os bravos voluntários do Clube de Cicloturismo do Brasil, que participa da ASF desde a sua primeira edição.

Ao longo dos quatro dias que fui ao evento, me dediquei ainda a ajudar no atendimento ao público que visitava o estande do Clube de Cicloturismo do Brasil, do qual sou voluntário. Nosso canto era tão simples que chamava a atenção entre as enormes estruturas dedicadas a carros, jipes e afins. Porém, quem passou por lá encontrou gente boa de papo, que sabe do assunto que está sendo exposto. E foi neste ambiente que ocorreu um memorável encontro entre grandes cicloturistas.

sam_1307
Mais de 150 mil quilômetros de boas histórias. E nem coloquei meus números nesta conta pra não inflacionar demais 🙂

André Fatini, que pedalou do Alaska ao Brasil (e foi assunto de um post inspiradíssimo), Arthur Simões, que deu uma volta ao mundo de bicicleta e conta as suas passagens como ninguém, e Danilo Perrotti, que também girou o globo e inspirou a muitos com o seu livro Homem Livre, estiveram no estande no mesmo momento. Quem passou por lá na tarde de sábado (15) aproveitou para conhecer e trocar ideias com estas figuras.

sam_1259
Cavallari e sua tandem de cromoly: sempre uma referencia nos esportes ao ar livre

Mas nem tudo era maravilhoso no pavilhão da Expo São Paulo. Como bem observou o cicloturista Guilherme Cavallari, a feira tinha demasiado espaço para “assistidas” e área menor para as mais radicais. “Na ASF 2016 senti a pressão do excesso de “filtros”. Havia mais carros e motos do que bicicletas, mais pneus do que botas…”, afirmou Cavallari em postagem no seu blog, com a qual este escriba concorda totalmente.

30303397265_4d78d8dd95_c
Foto: Edinho Ramon / Sua Casa é o Mundo

Acertos e erros computados, vejo um saldo muito positivo na ASF de 2016. Dá gosto de confirmar o interesse do público pelo cicloturismo, mesmo em um estande minimalista, e é muito bacana a troca de experiências com outros aventureiros. Sem falar no famoso networking, que não se repete com esta intensidade em nenhum outro evento nacional. E que venha a ASF 2017, ainda mais forte e com mais espaço para segmentos como o ciclismo!

dsc_0247
Obs: Em uma operação que nunca é tão simples quanto se pensa, levei minha bike urbana para SP. A idéia era usá-la para ir de Pinheiros ao evento, realizado no começo da rodovia dos Imigrantes, diariamente. Porém, o calor e o excesso de morros me fizeram chegar suado e atrasado já no primeiro dia. Com Metrô perto dos dois pontos, acabei encostando a bike e preferindo o transporte coletivo nos demais dias.

 

Curso de Cicloturismo em Floripa

Curso de Cicloturismo em Floripa

Salve, salve!

unknown2

Nos dias 5 e 6 de novembro eu e meu amigo André Schetino, do site Até Onde deu Pra ir de Bicicleta, vamos promover um curso de cicloturismo. Serão oito horas de conteúdo teórico e seis horas de prática, em um belo pedal por Floripa. Nós vamos repassar conhecimento e trocar ideias sobre condicionamento físico e preparação de uma cicloviagem autônoma.

Confira a programação:

Sábado, 5 de novembro

Sesc Cacupé

Módulo 1 – 4h: Preparando a sua primeira viagem autônoma de bike
Palestrante: Fábio Almeida (Pedal Nativo)

cms-files-4992-147430190026405768743_51561345b0_b

Quanto investir em uma bicicleta?
A importância do conforto ao pedalar.
Opções para carregar a bagagem.
Que outros equipamentos não necessários?
Opções de hospedagem.
Dicas de passeios para ganhar experiência aos poucos.
Formas de navegação.
Circuitos de cicloturismo no Brasil.

Módulo 2 – 4h: Treinamento para cicloviagens
Palestrante: André Schetino (Até Onde Deu pra Ir de Bicicleta)

cms-files-4992-1474301784foto3

Por quê treinar para se divertir em uma cicloviagem?
Os princípios do treinamento aplicados ao cicloturismo;
Como se preparar físicamente para uma cicloviagem;
Pedalando longas distâncias;
Pedalando com a bicicleta carregada.

Domingo, 6 de novembro

Pedal por Floripa – 6h

DSC_5037

Serão aproximadamente 60km, passando por diferentes cenários da ilha. Da tranquila estradinha de terra ligando a Vargem Grande ao Rio Vermelho ao agito da Lagoa da Conceição. Dos retões de Moçambique às curvas e cenários de Santo Antônio de Lisboa. O ritmo será de passeio, com duas paradas programadas: na praia de Moçambique, para fotos e possível banho, e na Lagoa da Conceição, para um lanche.

Número de vagas – 50

Investimento:

1º lote – 10 vagas – R$ 120,00
2º lote – 30 vagas – R$ 150,00
3º lote – 10 vagas – R$ 180,00

Inscreva-se agora no Curso de Cicloturismo do Pedal Nativo e Até Onde Deu pra Ir de Bicicleta.