RELATO: Shimano Fest 2017

Salve, salve!

Ir à Shimano Fest era um sonho antigo, desde os tempos em que ela era realizada em Mogi das Cruzes. Neste ano, com a proximidade dela com a Brasil Cycle Fair, eu e a Lê nos programamos para vir a São Paulo e visitar as duas feiras. Nosso objetivo principal é a busca de parcerias e patrocínio para o Pedal Nativo e nosso projeto Transpirineus 2018. E, neste sentido, fizemos bons contatos com importantes empresas do setor. É algo a ser trabalhado nos próximos meses.

Mas o objetivo deste post é outro. Vou mostrar o que mais nos chamou a atenção na Shimano Fest 2017. A primeira coisa que gostamos foi a diversidade de marcas expostas. Sem pressa, fomos conhecer o que Caloi/GT/Cannondale, Soul/BMC, Sense, Oggi, Audax, Focus, e outras, tinham a mostrar.

MTB elétrica no estande da Shimano

E as bikes com assistência elétrica estavam em vários estandes. Aonde não havia era porque o protótipo não tinha ficado pronto. Mas nada de urbana, o que mais vimos foram mountain bikes mesmo. A posição do motor é central, junto ao pé de vela, e não no cubo dianteiro ou traseiro. A explicação é que assim o peso do conjunto fica mais centralizado, facilitando uma pedalada mais esportiva.

Corratec elétrica que experimentamos no exigente circuito do evento: bem divertida!

Outra tendência que percebemos é a chegada das bikes Gravel. Pra quem não conhece, é uma espécie de bicicleta de estrada capaz de rodar em terrenos mais acidentados. Para isso, ela tem um pneu mais largo e a posição do ciclista não é tão projetada para a frente. Está sendo vista como uma opção para quem não tem os melhores asfaltos para pedalar, mas não quer perder tanto desempenho quanto em uma mountain bike.

Lê dando uma volta com o protótipo de Gravel da Soul

Mas e o cicloturismo? Apesar de estar presente em pequeno número, havia algumas coisas interessantes. No pequeno estande da Ortlieb chamava a atenção uma bela Trek da década de 1990 com o quadro de carbono. Ela estava equipada com bolsas de selim e guidão para bikepacking. A bolsa de quadro, por variar muito de tamanho entre as bicicletas, não estava sendo exposta.

Já tinha ouvido falar desta bike, feita em 1993 com componentes de fibra de carbono no seu quadro. Mas ao vivo foi a primeira vez <3

A mineira NorthPak estava presente, com seus conjuntos para bikepaking e acessórios feitos em cordura. Ela era apresentada pelo Jander Avila, que não conhecíamos. Além de ajudar no desenvolvimento da marca, ele promove passeios de bicicleta. Outro operador presente era o Pirenaica, que promove viagens com bicicletas de estrada na Europa.

Batendo um papo com o Guilherme Cavallari e o Kiko, da Deuter/Sea to Summit/Camelback.

O Guilherme Cavallari também estava lá, promovendo seus guias de cicloturismo e bikepacking. É sempre uma boa referência pra quem busca informação de qualidade. Também não se nega a dar dicas específicas. Falando em “celebridades”, pudemos conhecer o Edu Capivara, do excelente Pedaleria, e o Brou Bruto Drews, uma figura. Trocamos uma ideia ainda com o Eduardo Gasperini, do programa Vamos Pedalar, da TV Cultura.

Conhecendo ao vivo aquele que está sempre no nosso Youtube

E da Shimano Fest foi isso. Em mais alguns dias começa a Brasil Cycle Fair, e nós estaremos lá também. Até!

 

Um comentário em “RELATO: Shimano Fest 2017

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *