Sete destinos para pedalar no Sul e Sudeste

Salve, salve!

Às vezes é preciso ir longe para realizar um pedal incrível. Outras vezes há locais fantásticos, bem perto da nossa cidade. A pedido do pessoal da Adventure Sports Fair, selecionei e dei dicas sobre sete lugares muito bons para pedalar nas regiões Sudeste e Sul do Brasil. Confira abaixo e bora pedalar!

“Já pensou em conhecer vários lugares do Brasil de bicicleta? O Fabio Almeida, do Pedal Nativo, já fez muitos percursos e reuniu algumas dicas valiosas para quem quer se aventurar de bike nas regiões sudeste e sul, além de aproveitar para curtir lindas paisagens.

Antes de embarcar nesse tipo de viagem, é importante se preparar fisicamente e estar bem equipado para escapar de possíveis problemas. Coloque na mala ferramenta múltipla, câmara de ar reserva, kit de remendo de pneus, dinheiro, protetor solar, água, lanche e celular com carga. É fundamental saber como usar as ferramentas, então, teste tudo antes para ver como funciona. Também é recomendável avisar uma pessoa de confiança sobre o trajeto que irá percorrer.
Levar minha bike ou alugar uma já no destino?

Fabio explica que levar a própria bicicleta tem vantagens e desvantagens. “A parte boa é que ela já está toda ajustada e você não dependerá de ninguém. A parte ruim é que você terá de desmontá-la para levar no avião ou no ônibus e depois montá-la novamente quando chegar ao destino. Além disso, ela pode ser danificada no transporte”, ressalta Almeida. Desde março deste ano, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) liberou a cobrança das companhias aéreas pelo transporte da bicicleta, como toda a bagagem despachada, implicando em custos extras para o cliente, além dos riscos.

A maioria das companhias exige que a bike esteja embalada e isso pode ser feito de duas formas: usando uma mala-bike ou uma caixa de papelão. “O primeiro é a melhor opção para quem viaja muito e precisa embalar e desembalar a bicicleta constantemente. Ele tem lugares definidos para as rodas, os pedais e o guidão, protegendo tudo muito bem. A surpresa é seu preço, que supera os R$ 2.000. A segunda opção é bem mais em conta. Basta ir a uma bicicletaria e pedir para embalarem a bicicleta com uma caixa de papelão das que são utilizadas no transporte das bicicletas novas. Custa de R$ 30 a R$ 50 e a bike sai protegida”, explica Almeida.

Já o aluguel da bike é muito mais prático. Você viaja só com a sua mala e não precisa se preocupar com mais nada. O lado ruim é que você não sabe qual será a qualidade da bike que vai usar e nem se ela vai ser adequada ao seu tamanho.
Vai lá!

Serra da Bocaina (SP)

Um passeio que une paisagens da região serrana com um pouco da história do Brasil. O roteiro de três dias tem 172 km e começa pelas cidades históricas do fundo do Vale do Paraíba. Silveiras, Areias, São José do Barreiro, Arapeí e Bananal, todas são cidades protagonistas do ciclo do café. Com vários pequenos morros, este trecho serve de aquecimento para a subida da serra da Bocaina. Lá no alto é possível desfrutar de belas paisagens e até, em um dia aberto, da vista do mar.

É um roteiro para ciclistas com algum condicionamento, principalmente pela parte da subida da serra. A melhor época do ano é o inverno, quando as temperaturas estão mais agradáveis e há menos chuva. A bicicleta ideal é uma hibrida, podendo ser percorrido também com uma mountain bike. É possível lanchar nas diversas cidades da parte baixa. Na parte alta, a dica é comer uma truta no restaurante Chez Bruna. De lá, é só descer a serra de volta, terminando o pedal em Bananal.
Serra da Mantiqueira (SP)

A Serra da Mantiqueira é um grande parque de diversões muito perto de São Paulo. Lá é possível pedalar, escalar, caminhar e voar de parapente ou asa delta. A região do Pico dos Marins, entre Piquete (SP), Itajubá (MG) e Marmelópolis (MG) oferece ótimas estradinhas para pedalar pelas montanhas curtindo o ar puro e o verde da paisagem.

A região pode ser pedalada por ciclistas com diversos níveis de condicionamento, basta não ter pressa. Para os mais preparados, a dica é subir até o morro do Careca, de onde se tem uma bela vista das cidades do Vale do Paraíba. A bicicleta ideal é uma mountain bike com muitas marchas. Como é uma área rural, é bom caprichar nos lanches e na água. Outra dica é levar em conta as subidas ao preparar seu trajeto diário. Elas podem fazer um passeio de 20 quilômetros cansar como um de 50 quilômetros em regiões planas.
Florianópolis (SC)

Praias, áreas rurais, bairros históricos, zonas gastronômicas, cachoeiras, lagoas e pontos turísticos. O que não falta é atrativo para quem quer pedalar em Floripa. Para quem prefere um passeio com praia e uma pitada de mountain bike, a dica é percorrer o Sertão do Ribeirão, no sul da ilha. Saindo da praia da Armação, o ciclista segue pelo asfalto rumo ao sul. Após a comunidade da Costa de Dentro, começa a sequência de subidas que leva a esta área rural encravada dentro de uma área de preservação natural. Lá o ciclista pode tomar banho de rio e até experimentar uma cachaça artesanal.

O roteiro vai até o mirante para a Serra do Tabuleiro, quando é o momento de retornar. A volta é feita pelo mesmo trajeto e o ciclista pode encerrar o passeio com um mergulho na praia do Matadeiro, ao lado da Armação. São 20 km, com 500 metros de subida acumulada.
Serra Catarinense (SC)

A cidade de Urubici é uma pequena maravilha da serra catarinense, muito pouco conhecida por quem não é do Estado. Saindo do centro da cidade, o ciclista tem acesso ao Morro da Antena, um dos pontos mais bonitos da região.

Mas é preciso atenção para dois pontos: o acesso à parte final da subida pertence ao Parque Nacional de São Joaquim e a autorização necessária e gratuita que deve ser solicitada na sede do parque, no centro da cidade; o morro é bastante longo e inclinado, devendo ser feito em um programa de dia inteiro. No total, são 30 quilômetros, com subida acumulada de 870 metros. Para mais informações, acesse o site da ICMBio, que mantém o parque.
Litoral Norte do RJ

Uma região com água límpida como no Caribe e que ainda tem poucos turistas fora de temporada. Este é o litoral norte do Rio de Janeiro, que inclui as cidades de Cabo Frio, Arraial do Cabo e Búzios. Umas das praias mais bonitas e exclusivas da região são as Prainhas, no pontal do Atalaia, em Arraial do Cabo. O acesso é feito por uma estrada de paralelepípedo. A bike mais recomendada é a mountain bike. O trajeto é curto, com pouco mais de 5 quilômetros, mas com bastante subida. Com tempo, pode ser feito até por ciclistas com baixo condicionamento. A melhor época é em março, quando o movimento turístico está menor e o calor forte ajuda a encarar a água fria da região.
Cânions na divisa SC/RS

Paisagens amplas e estradas com bastante cascalho. O cenário ideal para quem quer praticar um bom mountain bike. Com autorização prévia, é possível atravessar o Parque Nacional de Aparados da Serra pedalando, em um roteiro de 14 km. O trajeto começa na RS 020, passa pelos campos de altitude e chega ao cânion do Itaimbezinho, que mede 5,8 km e tem altura de 700 metros. O pedal termina na portaria do parque, onde os visitantes “normais” entram. Para mais informações, acesse o site da ICMBio, que mantém o parque.

Quer fazer um destes roteiros?  Guiamos ciclistas por todos estes trajetos, com condutor experiente e carro de apoio. Fale conosco: contato@pedalnativo.com.br, (48) 99157-0838.

7 comentários em “Sete destinos para pedalar no Sul e Sudeste

  • Pingback: Sete destinos para pedalar no Sul e Sudeste - Rede de Blogs Outdoor

  • maio 30, 2017 em 9:10 pm
    Permalink

    Orra vamos aumentar esses destinos, que tal criarmos um blog com destinos, pousadas e campings.
    Conheço varios locais aqui no estado de sao paulo. Circuito Lagamar em Iguape e Cananéia. Mogi -bertioga , São Sebastião, Mairiporã, Cotia e etc…..

    Resposta
    • junho 1, 2017 em 1:36 pm
      Permalink

      Olá, Tiago! Sem dúvida que esta lista pode ser aumentada. Que tal usarmos este blog mesmo? Poderia escrever um texto sobre alguns destes destinos?

      Resposta
  • maio 30, 2017 em 9:23 pm
    Permalink

    SC e RS tem belos roteiros para a prática do cicloturismo. São locais que merecem ser conhecidos através da bike, para poder apreciar calmamente todos os seus encantos.

    Resposta
    • junho 1, 2017 em 1:33 pm
      Permalink

      Sim, meu caro! Quanto mais conhecemos, mais queremos viajar!

      Resposta
  • maio 31, 2017 em 7:01 am
    Permalink

    SP também tem lugares bons para pedalar. Um deles é sair de Pedro de Toledo, seguir pela Estrada do Despraiado e chegar em Iguape, litoral sul de São Paulo. Apenas uns 70 km de puro prazer.

    Resposta
    • junho 1, 2017 em 1:34 pm
      Permalink

      Este eu ainda tenho que conhecer, mestre!

      Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *