RELATO: Pedalando de Urubici a Floripa

Salve, salve!

O que era uma antiga vontade minha virou realidade no carnaval deste ano. E o melhor: juntei parceiros para pedalarmos de Urubici, na serra, para Floripa. No total, fizemos 215 quilômetros em cinco dias de muitas subidas e descidas. Ao contrário do que pode parecer à princípio, é um caminho com muitas subidas duras, com quase quatro mil metros de subida acumulada. Em conjunto com o sol forte de verão, os morros se tornaram um grande desafio para mim e para o Artur, o Artur Filho, o Carlos, a Mary, a Nataly, o Roberto e a Salete.

O roteiro foi dividido em cinco dias. No domingo, dia 26 de fevereiro, fomos de van para Urubici. Acampamos por lá e saímos logo após o café da manhã. No caminho deste primeiro dia, o principal destaque foi a Serra do Corvo Branco. Bem menos conhecida que a Serra do Rio do Rastro, a do Corvo Branco chama a atenção pelo enorme corte feito para atravessar as rochas mais altas.

Terminamos o dia em Grão Pará, acampando na propriedade da Dona Nida. Lá funcionava uma pousada, uma das únicas da região, mas o fechamento formal da Serra do Corvo Branco (para seu asfaltamento, em 2014) fez o movimento diminuir muito na região. Mesmo com a pousada desativada, ela concordou em nos receber e preparou uma deliciosa janta para os viajantes.

No segundo dia partimos já com uma grande subida em mente: a Boa Vista, que nos levaria de volta a casa dos 700 metros de altura. Esta subida, no entanto, não foi a maior dificuldade do dia. Ela foi vencida por volta das 10:30h, após alguns trechos empurrando as bikes. O problema foi o calor que veio com a nova descida. E como tínhamos várias outras pequenas subidas no trecho, o pedal se transformou numa experiência não muito agradável. O termômetro do GPS chegou a registrar 47 graus no começo da tarde.

Minutos antes de uma baita chuva chegamos à Pousada Doce Encanto, em Santa Rosa de Lima, nosso destino do dia. Ali fomos recebidos com mais fartura alimentar. Almoço às 14:30h, lanche às 17h e janta às 20h.

Por uma felicidade do destino, o dia seguinte amanheceu nublado, com uma chuva fraca que ia e vinha. Perfeito para pedalarmos sem grandes sofrimentos pelo trecho que inclui uma subida de 8 quilômetros (e uma descida de 6 quilômetros) e termina em Anitápolis. Chegamos cedo e bem dispostos, o que nos ajudou a enfrentar a busca por um lugar para almoçar. O único restaurante aberto na cidade naquele dia fechou às 13h e ficamos sem nem uma lanchonete para nos atender. Porém, a dona do Hotel Weiss, onde nos hospedamos, conversou com o restaurante vizinho, que só abre a noite, e conseguiu que ele nos atendesse fora do horário.

O quarto dia de pedal tinha a grande subida até Rancho Queimado como destaque. Porém, o tempo ainda fresco, apesar de ensolarado, e o asfalto em ótimas condições transformaram este desafio em um ótimo passeio. Para completar, ainda paramos na cachoeira que fica à beira da estrada, já na descida de Rancho Queimado para Angelina. Nada mal. Nada mal, mesmo!

Partimos para o quinto e último dia com uma forte neblina na religiosa Angelina. Já sabíamos que isso significava um forte sol logo na sequencia e tratamos de subir os morros iniciais sem perder muito tempo, já que o restante do trajeto tinha muito mais descidas que subidas. Mesmo assim o calor pegou forte. Ao chegar em São Pedro de Alcântara, com 35 graus nos termômetros, decidimos antecipar o almoço e pararmos por um tempo até o calor aliviar. Lá pelas 14h o tempo fechou e nós partimos de uma vez. Meia hora depois, nova parada. Esta, para fugirmos do temporal com raios que nos pegou de cheio. Mas tudo bem, concluímos na sequencia, chegando ao mar por volta das 16h,

E assim encerramos o viagem de Urubici a Floripa. Foram 215 quilômetros com quase 4.000 metros de subida acumulada. Passamos por estradas de terra e asfalto, tomamos chuva e sentimos muito calor, mas todos aguentaram bem. Parabéns ao Artur, ao Artur Filho, ao Carlos, à Mary, à Nataly, ao Roberto e à Salete!

Gostou? Vem com a gente para a próxima, que será no feriado de aniversário de Floripa. Ou conheça o nosso calendário para 2107.

Valeu!

 

11 comentários em “RELATO: Pedalando de Urubici a Floripa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *