10 anos de Pedal Nativo

Em 2019 o Pedal Nativo completa dez anos de vida. Desde o primeiro post, com uma pedalada pelo norte de Floripa, até o relato sobre a ciloviagem ao Morro dos Conventos foram 226 posts, que geraram 545 comentários. O blog começou com o nome de Náculo, em referência a um boneco que meu filho adorava. Aliás, minha intenção inicial era registrar minhas pedaladas para inspirá-lo quando maior. Em 2011, buscando inspirar mais pessoas, alterei o nome para Pedal Nativo. Na época, eu escrevi:

Pedal Nativo remete ao prazer espontâneo da aventura sobre uma bicicleta. Aquela emoção que guardamos com carinho, das aventuras na infância pelas ruas do bairro. Podemos ficar até alguns anos sem pedalar, mas basta girar o pedal para sentir tudo isso voltando. Afinal, nascemos para isso.

Com esta mudança de filosofia, os conteúdos se expandiram para além dos meus relatos: relatos de viagens de terceiros, entrevistas com grandes viajantes e dicas para iniciantes.

Ao mesmo tempo, organizei concurso e exposições de fotos, participei da criação do primeiro Curso Online de Cicloturismo, dei palestras e desenvolvi e coloquei à venda uma caneca personalizada. Do blog nasceram ainda um canal no YouTube e perfis no Instagram e no Facebook.

Reparou como quase tudo está conjugado na primeira pessoa? Isso é porque este blog é um reflexo do que sou, do que penso e desejo. Mesmo que ele não se chame “blog do Fábio”, sou eu que estou aqui. Daí dá pra chegar a duas conclusões:

Se fosse para viver disso, este blog teria uma configuração diferente. Os textos seriam uma coleção de listas de “os dez mais” e outros conteúdos baseados nas palavras mais buscadas do Google. Mas eu optei por escrever de maneira totalmente livre. E isso custou ao blog pouca atratividade para os anunciantes.

Mas, como disse, o Pedal Nativo é um blog onde me expresso como pessoa. E, por isso mesmo, ele não deve, obrigatoriamente, gerar dinheiro para continuar existindo. Afinal, respeito meu compromisso com a minha natureza. Individualidade essa que respira aliviada sempre que está em contato com o ambiente natural.

Apesar da redução no número de relatos por aqui, sigo fazendo incursões na natureza. Mas não apenas de bicicleta. O trekking, que eu também pratico desde a adolescência, voltou ao meu radar ao fazer o curso da Outward Bound Brasil, em 2017. Com mais algumas boas experiências de caminhada, o Pedal Nativo começou a ficar pequeno para o Fábio.

Mas não mais, neste aniversário de 10 anos o Pedal Nativo vai passar o bastão. Mais uma vez, é uma mudança que contraria algumas “regras” para criadores de conteúdo. Afinal, ainda que sem números fantásticos o Pedal Nativo tem alguma relevância no Google.

Mas as regras deste autor permitem e até endossam. Assim, as aventuras de bicicleta vão continuar (lembre-se do compromisso), mas também irei escrever sobre trekking e outras práticas que me levam à natureza.

Um novo nome, novo endereço, nova logo, novas seções. Mas o mesmo Fábio de sempre escrevendo e ouvindo. Inspirando e sendo inspirado. Vamos em frente que a coisa só melhora!

E fique tranquilo, o Pedal Nativo seguirá no ar. Com todo seu histórico de postagens.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *